Empreendedora se destacando em meio aos outros colegas de trabalho por ter uma boa oratória.
Categorias:

18 exercícios para ter uma boa oratória na hora da venda [2022]

A facilidade de se comunicar é uma das soft skills mais procuradas por empresas que desejam contratar, fazendo com que o profissional dominador da oratória tenha grande capacidade de se destacar no mercado.

Sobre isso, existe uma crença generalizada de que a oratória é um dom que nasce com a pessoa ou não. Mas a verdade é que essa habilidade pode ser aprendida e desenvolvida.

Caso você ainda tenha dúvidas se vale a pena investir tempo nessa prática, saiba que o profissional com boa oratória está mais preparado para uma entrevista de emprego, apresentação, reunião, negociação e outros contextos que envolvem comunicação.

Sabendo disso, confira as melhores estratégias para adquirir uma boa oratória.

O que é oratória?

Oratória é a capacidade de falar em público de forma clara e eloquente, conquistando seu público e alcançando um propósito comunicativo.

Para dominar essa arte, existe uma série de práticas e técnicas que classificam o indivíduo como um bom orador.

Como vender mais tendo uma boa oratória?

A necessidade de dominar a fala em público não vem dos dias atuais, na realidade os primeiros registros sobre técnicas de oratórias vêm da Grécia Antiga.

Quem já estudou filosofia, deve lembrar dos famosos sofistas. Com o intuito de melhorar a argumentação para influenciar os ouvintes, eles foram os primeiros a treinar a oratória.

Nesse sentido, é possível afirmar que o objetivo dos sofistas é muito parecido com a função dos vendedores: convencer clientes de que precisam da solução oferecida.

Assim, a capacidade de se comunicar com destreza é um diferencial para esses profissionais, sendo possível fechar mais vendas devido a essa capacidade.

Apesar de ser um bom começo, a oratória não é suficiente para formar um bom vendedor, de modo que é necessário dominar outras estratégias para vender mais e bater metas.

Como melhorar a oratória?

A princípio, é importante entender que mesmo se você é uma pessoa tímida e/ou introvertida, você é capaz de dominar a oratória. Mas evidentemente, isso não ocorre do dia para noite, é um processo que exige tempo e dedicação.

Para melhorar a oratória, existe um conjunto de estratégias que deve ser seguido, referente a expressão corporal e facial, dicção e tom de voz, exercícios de respiração, entre outras dicas.

O primeiro passo você já deu, a pesquisa, agora basta seguir os exercícios e praticar bastante. O caminho é longo, porém, prazeroso.

18 exercícios (dicas) para ter uma boa oratória

1 – Conheça seu público

A primeira estratégia a ser posta em prática é conhecer seu público. Essa etapa faz parte da fase do planejamento do discurso.

A partir da definição do público, você consegue adaptar a linguagem, o roteiro, a postura e os recursos audiovisuais de modo adequado.

Imagine um professor que dá a mesma aula para o ensino fundamental e para a graduação, parece absurdo, né? Esse mesmo raciocínio deve ser aplicado a qualquer evento discursivo.

2 – Estude o assunto a ser tratado

Quem já apresentou um trabalho tendo estudado apenas alguns minutos antes da ocasião sabe o desespero de falar em público um assunto que você não domina.

Por isso, quanto mais preparo acima do tema, mais à vontade você se sente em falar sobre aquilo.

Então, estude minuciosamente o assunto do discurso até que se sinta confortável e confiante. Além de te ajudar no momento da fala, essa revisão também te deixa preparado para responder perguntas que possam surgir durante o evento.

3 – Controle o nervosismo

Antes de uma apresentação importante, é comum aparecer o nervosismo e a ansiedade, que se manifestam de maneiras diferentes em cada indivíduo.

Nesse momento, lembre-se de que você está preparado para a ocasião e mantenha a calma. Afinal, o nervosismo pode atrapalhar a fala.

4 – Defina o tom do discurso

Um dos primeiros passos a ser seguidos é a definição do tom do discurso, que pode variar entre níveis mais formais ou mais informais.

Essa escolha deve ser pensada a partir de alguns fatores. Assim, reflita sobre a ocasião e público do evento (considere faixa-etária e posição na empresa).

Se for uma apresentação de resultados para seu superior, priorize a formalidade. Por outro lado, se for uma reunião durante o almoço com colaboradores, uma certa informalidade é permitida.

5 – Monte um roteiro

Uma estratégia que ajuda a construir a confiança do palestrante é produzir um roteiro do discurso.

Nesse caso, não é necessário escrever tudo o que será dito, até porque o objetivo não é decorar sua fala. O ideal aqui é anotar os pontos mais importantes e ordená-los.

Com isso, há menos chances de você se perder durante a fala ou esquecer algum tópico essencial.

Ah, e não cometa o erro de pensar que o roteiro só serve para uma apresentação, afinal essa é uma das estratégias para uma reunião produtiva.

6 – Faça contato visual

As pessoas já estão cansadas de ouvir que para perder a vergonha da plateia é só olhá-los e imaginá-los sem roupa.

Não vamos reproduzir essa dica aqui, mas queremos destacar parte dela: é extremamente importante fazer contato visual com o público, independentemente de enxergá-los com ou sem roupa.

Portanto, durante a fala, troque olhares com o público, alternando o contato visual entre os presentes. Desse modo, o palestrante se aproxima da plateia e prende a atenção do ouvinte.

7 – Sintetize sua fala

Quando falamos de um assunto que gostamos e/ou dominamos, é comum cairmos na empolgação e exagerarmos nos detalhes.

Ao se tratar de uma exposição ao público, é fundamental conter o entusiasmo e sintetizar a fala. Afinal, um discurso muito longo e prolixo cansa a plateia, que acaba perdendo o interesse.

8 – Evite vícios de linguagem

Na fala cotidiana, estamos muito acostumados com vícios de linguagem, porém na hora da apresentação, deve-se evitar o uso de algumas expressões.

Falas como “né”, “tá”, “aí” e “tipo” podem parecer inofensivas, mas, diante do público, esses vícios dão a impressão de que o palestrante não domina o conteúdo.

Além disso, os vícios de linguagem não são nada profissionais e, portanto, não devem aparecer no discurso.

Para os vendedores, no momento da comunicação com o consumidor, também é interessante cortar essas expressões, fazendo assim uma prospecção eficaz do cliente.

9 – Respire corretamente e faça pausas

A fala é a passagem de ar pelas cordas vocais, assim uma respiração correta faz toda a diferença na qualidade da oratória.

Durante o discurso, lembre-se de manter a respiração constante para evitar perder o ar durante a fala. Ainda, faça pausas estratégicas, que prendem a atenção do público e te permitem respirar.

Uma dica interessante é fazer exercícios de respiração antes da apresentação, preparando o corpo para o que está por vir.

10 – Mantenha a postura corporal

Ainda sobre consciência corporal, é essencial manter uma postura adequada durante o discurso.

No livro “O Poder da Presença”, a psicóloga e pesquisadora da Harvard, Amy Cuddy, explica como usar a imagem corporal para ganhar confiança e passar uma imagem positiva.

Sendo assim, nada de coluna curvada ou braços cruzados. Ao invés disso, encontre uma posição na qual você se sinta confortável e confiante, passando a imagem para a plateia de ser um bom líder. 

11 – Evite movimentos involuntários

Além de vícios de linguagem, os vícios corporais também devem passar longe do palco.

Os vícios corporais são aqueles movimentos involuntários que se diferem de pessoa para pessoa. Há quem mexa no cabelo, trema as pernas, levante as mangas da camisa, entre inúmeras outras opções.

Do ponto de vista de oratória, esses movimentos tiram a atenção do público e passam uma impressão negativa, devendo ser evitados.

Claro, isso não significa que você deve ficar parado durante o discurso. Muito pelo contrário, a gesticulação é incentivada nesse momento, porém deve ser consciente e voluntária, formando uma conexão da fala com o corpo.

12 – Use recursos da narrativa

Você já deve ter ouvido falar de storytelling, a arte de contar histórias.

Na oratória, esse recurso da narrativa é extremamente indicado, pois ele é capaz de encantar o público.

Dessa forma, ao montar o seu roteiro de apresentação, pense em exemplos que podem ser dados a partir de histórias que você ou um conhecido já vivenciou.

13 – Interaja com o público

Um bom palestrante é aquele que ouve. Isto é, esteja disposto a interagir com o público, fazendo perguntas ou pedindo opiniões.

Para o ouvinte, a sensação de inclusão gera uma experiência positiva, por isso é interessante contar com essa estratégia.

Ademais, a interação não precisa acontecer somente durante o discurso. Antes ou depois, certifique-se de andar pelo espaço e trocar ideia com os presentes, fazendo um networking de qualidade.

14 – Tenha consciência de expressão

Muitas vezes, o palestrante está muito focado na sua fala e acaba esquecendo o restante do corpo.

Para evitar essa situação, tenha constantemente consciência de expressão facial. Ou seja, sua fala deve estar conectada com o seu rosto.

Com uma boa oratória, você deve ser capaz de transparecer emoção ao público, por esse motivo não adianta ter a mesma expressão facial diante de um exemplo triste e um feliz.

15 – Utilize recursos audiovisuais

Essa estratégia não chega a ser um requisito para uma boa oratória, e sim uma sugestão: faça uso de recursos audiovisuais.

Sim, algo simples como montar uma apresentação de slides no Canva pode elevar o nível do seu discurso, pois é mais um aporte para a sua fala.

16 – Simule situações de exposição

Antes do grande dia, uma boa ideia é simular situações de exposição ao público. Ou seja, ao praticar sua fala, aproveite para chamar familiares, amigos e/ou parceiro(a) para te assistir.

Desse modo, o treino é mais efetivo, pois você consegue se acostumar com a ideia de ter um público prestando atenção em sua imagem.

Mas, caso não seja possível essa opção, outra alternativa eficaz é praticar em frente ao espelho. Assim, você mesmo consegue identificar as melhorias que precisam ser feitas.

17 – Acompanhe seu público para casa

Essa dica pode parecer estranha, mas um bom orador acompanha seu público para casa.

Em outras palavras, faça um discurso memorável, que incentive a plateia a refletir sobre suas palavras. Desse modo, ao voltarem para casa, eles ainda estarão com a palestra em mente.

18 – Peça feedbacks

Por último, ao finalizar a apresentação, ainda há trabalho a ser feito: questione alguns ouvintes o que acharam de sua fala e como poderia melhorar.

Ouvir feedback é a melhor maneira de ter consciência do seu resultado e medir esforços para possíveis mudanças.

Se você sabe dar um feedback negativo sem constranger o ouvinte, também será capaz de recebê-lo.

Principais erros de oratória na hora da fala

Agora que você já sabe o que fazer para ter uma boa oratória, só falta saber o que não fazer. Evite os seguintes erros:

  • Fugir do tema: Tenha cuidado para não se dispersar durante a fala. O ouvinte precisa de uma linha de raciocínio a fim de absorver o conteúdo.
  • Focar em si: Evidentemente, o que está sendo dito parte do seu ponto de vista. Mas é preciso expandir sua visão e trazer dados, exemplos ou casos que abordem outras pessoas.
  • Ler slides ou anotações: Falamos da importância de um apoio como roteiro ou slides, porém não se prenda a eles. Deixe o discurso fluir e tenha espontaneidade.
  • Passar o tempo da apresentação: Caso haja um combinado de tempo máximo da apresentação, certifique-se de respeitar esse limite. Se for necessário, peça a alguém para te avisar quando estiver próximo de chegar na hora.
  • Usar a mesma entonação: Assim como a expressão facial e corporal, a entonação da sua voz deve variar de acordo com o que está sendo dito.
  • Esquecer da conclusão: A maneira que você finaliza a apresentação faz muita diferença no impacto que se faz no público. Por isso, pense com antecedência na melhor maneira de terminar a fala.

Conclusão

A capacidade de se comunicar com eficiência é requisito para qualquer profissão hoje em dia, por isso a oratória é uma ferramenta capaz de te destacar no mercado.

A preocupação por não ter nascido um bom orador perturba muitas pessoas, mas a realidade é que essa habilidade pode ser aprimorada com o tempo.

Assim, essas estratégias, quando colocadas em prática, representam o começo da formação de um profissional que utiliza a oratória a seu favor, inclusive para vender mais.

Obrigada pela leitura.

Até a próxima!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.